Ainda vale a pena ter um site?

Se é possível vender através do WhatsApp e até do Instagram, vale a pena ter um site? Confira uma visão geral sobre o assunto e tire suas conclusões!

wireframe de um site

Você já ouviu a expressão “se a sua empresa não está no Google, ela não existe”? Esse é um mantra que serve muito bem para o momento em que vivemos.

Quem tem um negócio na web – principalmente -, precisa estar muito atento às mudanças que acontecem no ambiente digital. Até porque elas ocorrem em uma velocidade muito superior em relação a outros meios.

Vamos fazer um pequeno exercício: tente se lembrar de grandes sites, blogs e redes sociais que estavam no auge há 10 anos e veja quantos deles não existem mais. Um exemplo clássico é o Orkut.

No caso de alguns blogs, eles foram migrando cada vez mais para conteúdos em vídeo no Youtube ou podcasts. Sem contar aquela turma que começou a fazer muito dinheiro e sucesso em redes sociais como o instagram.

Ou seja: a internet é dinâmica.

Redes sociais podem substituir um site?

Nos últimos dois ou três anos, vimos o crescimento de novas ferramentas digitais como o Whatsapp na área de vendas.

Pergunte a qualquer conhecido e ele te dirá que tem “zapzap”. E muitas empresas já estão adotando o mensageiro como uma plataforma de vendas, principalmente após o lançamento da versão corporativa com funções voltadas para o atendimento a clientes.

Além do Whatsapp, outras plataformas começaram a investir cada vez mais em tecnologia para servir como um canal de vendas.

O Facebook investiu no Market Place e já vem, há alguns anos, crescendo como uma plataforma de mídia onde grandes e pequenas marcas conseguem anunciar seus produtos e serviços através de suas páginas.

O Instagram, depois que foi comprado pelo Facebook, também passou a investir em tecnologia para servir de mídia e plataforma de vendas.

loja virtual num smartphone
Vender online através de redes sociais é bem fácil. Mas até quando será vantajoso?

Existe todo um microcosmo de pequenas lojinhas que existem apenas em um perfil no Instagram. Por lá conseguem exibir e vender seus produtos através de um sistema próprio de vendas. Além de fazer toda a parte de relacionamento.

Isso sem contar com outras plataformas que já existem há alguns anos como o Mercado Livre, OLX, etc. Todas elas oferecendo formas de qualquer um vender seus produtos e receber de forma segura.

Porém – e sempre existe esse porém – todas essas plataformas são de terceiros. Ao depender de uma plataforma de terceiros, você precisa se submeter a uma série de termos de uso estabelecidos e torcer para que essa rede social ou plataforma não acabe.

Além disso, a grande maioria delas, por se tratar de um ambiente fechado, não aparecem nos resultados de busca do Google.

O Google recebe, atualmente, mais de 100 bilhões de pesquisas por mês. Em um ano, a ferramenta de busca processa mais de 2 trilhões de pesquisas. São dados difíceis de se ignorar em um mundo cada vez mais conectado.

Se você não está aparecendo nos resultados de busca do Google, pode ter certeza de uma coisa: você está sofrendo prejuízos.

Hoje o Google é responsável por mais da metade das vendas online e do direcionamento de tráfego através de smartphones e desktops. Ou seja, o usuário inicia toda a sua jornada de compra através do Google.

Com um panorama desses, muitas pessoas se perguntam: ainda vale a pena ter um site?

Ter ou não ter um site?

Antes de responder a essa pergunta, vamos analisar alguns pontos relacionados à todas as informações que apresentamos nos parágrafos anteriores.

O Facebook hoje tem mais de 2 bilhões de usuários que compartilham diariamente informações sobre suas vidas, seus gostos, seus interesses, os locais onde visitam, as marcas que costumam consumir e muito mais.

Há alguns anos, as marcas migraram em massa para o Facebook. Bastava um post para alcançar quase toda a sua base de seguidores. Era uma grande festa.

Porém, o Facebook percebeu que essa audiência era valiosa demais e foi reduzindo o cada vez mais o alcance orgânico das publicações. Se antes você conseguia falar com praticamente 80% da sua audiência sem gastar um centavo sequer, hoje você não consegue falar nem com 5% sem investir em impulsionamentos.

Dessa forma, as marcas que migraram para o Facebook agora estão completamente dependentes de investimentos em mídia para conseguir falar com a sua audiência.

O mesmo acontece com o Instagram, uma vez que ao fazer parte do portfolio de produtos do conglomerado de Mark Zuckerberg, acaba adotando as mesmas estratégias comerciais para tornar a rede social mais rentável para seus acionistas.

O Whatsapp também está caminhando para isso. Quanto mais o Facebook investir em melhorias tecnológicas na plataforma, mais refém as marcas que utilizam os serviços se tornarão.

É um conceito muito básico: se você está em nosso território, tem que seguir as nossas regras.

Agora, voltemos à pergunta primordial desse post: ainda vale a pena ter um site?

A resposta é SIM!

Não fique dependente de plataformas de terceiros. Tenha seu site!

Com as informações que apresentamos sobre o Google nesse post, fica muito claro que manter um site é essencial se você quer ter resultados a médio e longo prazo.

Com o site você não fica dependente da tecnologia e das regras de outras empresas, como Facebook, Instagram, etc.

Fazendo um bom trabalho de conteúdo, SEO ou até mesmo com investimento em mídia, é possível se destacar entre os concorrentes na hora de aparecer nos resultados de buscas dos usuários.

Além disso, com o site você pode sempre se adaptar às novas tendências.

Vamos pegar o Youtube como exemplo. Você pode produzir os seus conteúdos em vídeo e publicá-los no Youtube. Mas no seu site, com conteúdo de texto e imagens, a sua mensagem fica ainda mais clara e relevante para o seu público.

Ter um site hoje em dia ainda vale muito a pena e valerá por muito tempo.

Deixe seu comentário